O fantástico mix entre startups de computação quântica e o mercado financeiro

O futuro da tecnologia agora no mercado de venture capital.

O fantástico mix entre startups de computação quântica e o mercado financeiro

O futuro da tecnologia agora no mercado de venture capital.

verificado-p9b5wei8xhwe6tpnd9l0yfyhsau4bv7zr389bvjd9k

Camila Farani

22 de outubro • 5 min

verificado-p9b5wei8xhwe6tpnd9l0yfyhsau4bv7zr389bvjd9k

Camila Farani

22 de out • 5 min

Estamos vivenciando o futuro. É verdade! A tecnologia e a inovação nos permitiram trilhar este caminho do futuro tecnológico em pleno 2021. Acontece que as startups de computação quântica estão avançando no mercado de capitais e ganhando destaques por suas projeções bastante otimistas.  

Mesmo que este tema não soe tão familiar para muitos, a computação quântica é uma tecnologia que vai revolucionar a atual visão que temos hoje sobre os computadores. Isso porque esta tecnologia consiste em acelerar o processamento de comandos e cálculos em computadores em uma velocidade que é quase impossível de ser alcançada.

E agora, após 35 anos de vida, a pesquisa sobre este tema saiu da esfera científica e ganhou novos olhares no mundo dos negócios, após o anúncio de abertura de capital de duas empresas, a IonQ (empresa de hardware e software de computação quântica sediada em College Park, Maryland) e a Rigetti Computing (desenvolvedora de circuitos integrados quânticos, baseada em Berkeley, Califórnia, usada para computadores quânticos). 

Acontece que, após estrear na Bolsa de Valores de Nova York, a IonQ passou a ter um valor de mercado de US$2 bilhões e foi uma das grandes apostas dos investidores. Em seguida, a Rigetti Computing informou que também entraria no mercado após vender parte de seu capital a uma empresa de propósito específico (Spac), que já está listada na Bolsa. Com isso, a companhia passou a ser avaliada em torno de US$1,5 bilhão. 

Em paralelo a este cenário, várias empresas concorrentes demonstraram interesse em buscar financiamento no mercado de capitais. A PsiQuantum, empresa fundada por físicos britânicos no Vale do Silício, é uma que arrecadou US$450 milhões com investimentos da BlackRock e da Baillie Gifford. Com este aporte, a empresa alcançou um valor de avaliação superior a US$3 bilhões. Sua intenção é desenvolver um computador quântico com viabilidade comercial até 2025, segundo consta em matéria do Valor Econômico.

Outra startup ganhou destaque ao assinar um acordo para investir US$300 milhões em sua unidade de computação quântica, a Honeywell, multinacional estadunidense que produz grande variedade de produtos de consumo, serviços de engenharia e sistemas aeroespaciais.Isto porque, a empresa fechou uma parceria com a Cambridge Quantum Computing, empresa independente de computação quântica, e deixou em aberto a ideia de abrir o capital futuramente. 

A corrida para investir nessas tentativas iniciais, somada à série de novas startups desmembrando-se de laboratórios de universidades pelo mundo, de Sydney a Sussex, marca um ponto de inflexão na forma como a comunidade de investimentos vê a computação quântica. 

Para ficar por dentro!

O mercado da computação quântica é formado por provedores de poder de processamento quântico e por companhias que agem como intermediárias entre estes e os consumidores, ajudando as organizações a começar experimentos com essa tecnologia, com soluções que vão de treinamentos a softwares. 

A IBM – International Business Machines Corporation, por exemplo, oferece acesso via cloud a seus processadores quânticos desde 2016. Inclusive, a empresa anunciou um roadmap de 1.000 qubits para 2023, que pode ser um marco para a criação de valor. Assim como a D-Wave, empresa de quantum annealing, que oferece sua solução de abordagem quantum annealing desde 2010.

Setores como logística e transporte, financeiro, energia, farmacêutico, químico e industrial, em que a computação quântica tem grande potencial, já estão envolvidos em experimentos.

A McKinsey, empresa de consultoria empresarial americana, prevê que, até 2030, de 2 mil a 5 mil computadores quânticos estejam em operação no mundo. No entanto, segundo a consultoria, a computação quântica como serviço poderá ser ofertada muito antes – já entre 2022 e 2026 – pelos provedores de cloud. Com isso, as organizações poderão apostar em soluções híbridas, entre computação quântica e convencional.

Uma breve história

A história da computação quântica remete à 1981, quando foi apresentada em uma conferência do MIT (Massachusetts Institute of Technology), pelo físico Richard Feynman, que apresentou uma proposta para a utilização de sistemas quânticos em computadores, que teriam uma capacidade de processamento superior aos computadores comuns. Mas a pesquisa em torno desse tema existe desde a década de 50, quando os cientistas pensavam em aplicar as leis da física e da mecânica quântica nos computadores. 

Desde sua introdução no MIT, o primeiro computador quântico surgiu em 1985, descrito por David Deutsch, da Universidade de Oxford, que apontou a Máquina de Turing Quântica, a qual ele simularia outro computador quântico. Já em 1994 foi a vez do professor de matemática, Peter Shor, em Nova Jersey, desenvolver o algoritmo de Shor capaz de fatorar grandes números numa velocidade muito superior à dos computadores convencionais.

O primeiro algoritmo para pesquisa de base de dados quânticos surgiu em 1996, por Lov Grover e em 1999 foram construídos os primeiros protótipos de computadores quânticos utilizando montagem térmica, no MIT. 

Orion, um processador quântico de 16 qubits que realiza tarefas práticas, foi desenvolvido pela empresa canadense D-Wave, em 2007. E foi em 2011 que surgiu o primeiro computador quântico para comercialização, que possui um processador de 128 qubits, mas ele ainda dependia de outros computadores convencionais para funcionar. 

A maturidade da tecnologia veio em 2017, quando a D-Wave Systems lançou comercialmente o 2000Q, um computador quântico de 2000 qubits, pelo valor de US$ 15 milhões. No mesmo ano, o físico brasileiro, Guilherme Tosi, em conjunto com uma equipe de pesquisadores da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, inventou uma nova arquitetura radical para a computação quântica, baseada em ‘flip-flop qubits’ que permite a fabricação de processadores quânticos em larga escala pode se tornar, consideravelmente, mais barata e mais fácil, sem precisar do processo complexo da colocação precisa de átomos de silício no processador.

Compartilhe este post nas suas redes sociais

Compartilhe este post nas suas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Não curti.

Meh…

Curti!

Não curti.

Meh…

Curti!

Você também pode gostar de:

Você também
pode gostar de:

Enterprise agility: o que era uma opção, agora é essencial

Empresas ágeis são aquelas que estão conseguindo…

Como melhorar a experiência do cliente?

Quando você encanta seus clientes e agrega mais valor…

Enterprise agility

Empresas ágeis são aquelas que estão conseguindo…

Experiência do cliente

Quando você encanta seus clientes e agrega mais…