Você está em dia com a sua saúde mental?

Como driblar a ansiedade, o burnout e outras doenças que afetam diretamente a sua produtividade e vida pessoal. 

Você está em dia com a sua saúde mental?

Como driblar a ansiedade, o burnout e outras doenças que afetam diretamente a sua produtividade e vida pessoal. 

verificado-p9b5wei8xhwe6tpnd9l0yfyhsau4bv7zr389bvjd9k

Camila Farani

07 de outubro • 3 min

verificado-p9b5wei8xhwe6tpnd9l0yfyhsau4bv7zr389bvjd9k

Camila Farani

10 de out • 10 min

O dia 10 de outubro é lembrado como o dia mundial da saúde mental, e a preocupação com o seu bem-estar no ambiente de trabalho é um dos pontos que deve ser priorizado para o equilíbrio da sua mente. Esta data é importante para que temas como ansiedade e burnout, que estão cada vez mais frequentes na vida das pessoas, sejam priorizados, já que a atenção para a estabilidade das questões emocionais está, frequentemente, sendo deixada de lado, dando espaço para o ritmo acelerado e a correria do dia a dia. Neste caso, desacelerar é fundamental, mas muitas vezes pode ser difícil, e, ao mesmo tempo, essencial para evitar o adoecimento mais cedo ou mais tarde.

É por isso que eu sempre estou atenta às mensagens da minha mente e corpo. Paralelo a isso, eu sei que para nós, empreendedores, existem muitas razões para passar horas e horas, dias e dias, voltados 100% para o nosso trabalho. Mas a verdade é que chega um momento de estafa que você não consegue produzir, planejar e muito menos resolver os problemas do seu negócio. E isso só vai se transformando em uma bola de neve. 

Um exemplo que eu cito sempre, em meu livro, palestras, redes sociais, é sobre a fadiga das decisões, que significa o momento em que você trabalhou tanto, pensou tanto, que não consegue decidir mais nada. E é exatamente neste momento que você precisa perceber que o seu cérebro está pedindo ajuda, o que neste caso se traduz em descanso ou pausa.

Concomitantemente a este fato, hoje em dia, há uma pressão muito grande para que todos sejam produtivos 100% a todo momento, além do “dever” de estar disponível o tempo inteiro para o trabalho. O que, na verdade, é impossível tanto quanto improdutivo. Saiba que, até para ser criativo é necessário momentos de pausa e relaxamento. 

Existe uma mensagem cultural que enaltece o trabalho excessivo e aponta que esta prática é garantia de sucesso. Só que não. Esta afirmação está, completamente, equivocada e acelera o seu atraso para o sucesso se você não souber utilizar o equilíbrio para todos os elementos em sua vida, seja pessoal ou profissional. Saber a diferença entre esforço, trabalho árduo e exagero é o desafio que vai definir o seu sucesso ou o seu fracasso.

No final das contas, o importante é compreender que o trabalho se tornou um peso para muitos e que as ações laborais devem ser constituídas por todos os atores envolvidos, para que a saúde das pessoas seja restabelecida. Por isso é de grande valia que todo empreendedor se preocupe com o movimento corporativo que possa gerar futuras doenças em seus colaboradores e na sua própria vida. Assim, pode prevenir doenças que estão em crescimento considerável no mundo inteiro como a ansiedade e o burnout.

Síndrome de burnout e ansiedade como doenças do século

Segundo a PEBMED (principal referência em conteúdo para o profissional de saúde brasileiro), uma das doenças que figuram nas discussões sobre o adoecimento dos profissionais de enfermagem é a síndrome de burnout. Além dos profissionais de saúde, outras categorias também são afetadas por esta doença.

A síndrome de burnout ou a síndrome do esgotamento profissional, foi definida pelo psicanalista alemão Freudenberger. Este após sofrer com sintomas terríveis, ligado ao estresse na década de 70, criou a descrição da condição pautada no colapso da capacidade adaptativa, essas se solidificam na figura da exaustão emocional, da redução da realização pessoal  e da despersonificação. A condição advém do fato da pessoa realizar atividades que ultrapassam seus limites, aliados a outras questões. 

Esta doença afeta milhões de profissionais no mundo e, durante a pandemia, os casos aumentaram, consideravelmente, e está associada aos estresses e aos problemas do ambiente laboral. Por isso, o esgotamento se tornou uma das principais preocupações dentro das organizações.

Segundo artigo do MIT Management Review, um especialista em emoções no trabalho e chefe de conteúdo da Humu, uma empresa focada na mudança de comportamento no local de trabalho, em 2020, 71% dos funcionários experimentaram burnout pelo menos uma vez. Entre os clientes corporativos da Humu, 62% dos funcionários relataram se sentir oprimidos pelas responsabilidades do trabalho e 32% disseram que estão emocionalmente esgotados.

E uma pesquisa da Qualtrics mostra que o estresse e o esgotamento são os principais motivos pelos quais as pessoas pensam em deixar seus empregos nos próximos meses e ano – uma época que os economistas já apelidaram de “A Grande Renúncia ”.

A ansiedade não fica muito pra trás. Em 2020, a Agência Brasil divulgou uma pesquisa feita pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) a qual revela que 80% da população brasileira tornou-se mais ansiosa na pandemia do coronavírus. A pesquisa ouviu 1.996 pessoas maiores de 18 anos de idade.

4 dicas de como praticar o equilíbrio e melhorar sua saúde mental

Atualmente, para mudar esse cenário de elevado estresse, ansiedade, e valorizar mais as questões de bem-estar no ambiente de trabalho, empreendedores e organizações estão focados em um senso de pertencimento, propósito e progresso. Até porque, caso contrário, o esgotamento e a estafa podem evoluir e chegar a um quadro pior. Além disso, o adoecimento se tornará natural.

Para que isto não aconteça, algumas práticas são essenciais e ajudam a manter o equilíbrio físico e mental. 

Não é à toa que cientistas do mundo inteiro estão focados nesse tema e promovendo debates o tempo inteiro para que mais pessoas atentem-se ao que temos de mais importante: a nossa mente. Por isso, vou compartilhar quatro dicas que li recentemente na revista Harvard Business Review, a fim de contribuir para a valorização da saúde mental do empreendedor. 

1. Perceba a história que você está contando a si mesmo sobre trabalho

São 18h. Você prometeu que estaria em casa para o jantar e para a hora de dormir, mas alguns últimos e-mails que você quer enviar. Nestes momentos, em que você tem a opção de continuar com seu comportamento antigo de ultrapassar seus limites ou compromissos com partes da sua vida de fora do trabalho, observe a história que você está se contando sobre por que o trabalho é mais importante.

Tire cinco minutos ou mais para escrever a história, e então vá mais fundo. Se a história é que se você não enviar esses últimos poucos e-mails, você ficará para trás no dia seguinte, pergunte a si mesmo: e daí? Talvez a resposta seja que daí você se sentirá apressado para terminar sua proposta até o final da semana. Pergunte a si mesmo novamente: e daí? Continue cavando até chegar à história central. Muitas vezes será algo como: “Vou perder meu emprego e depois perder tudo.”

Quando você chegar a esse ponto, pergunte-se: isso é verdade? É verdade que se você deixar seu trabalho no horário que disse que sairia, você perderá seu trabalho e então perderá todo o resto? Na maioria das hipóteses, provavelmente não. Nossos pensamentos e sentimentos influenciam nosso comportamento, e nossas histórias internas estão entrelaçadas com esses pensamentos e sentimentos. Tirando cinco minutos para interromper seus pensamentos, pensamentos e comportamentos automáticos, você torna uma mudança mais provável de ser feita.

2. Compartilhe seu objetivo de desacelerar com alguém que você respeita

De acordo com uma pesquisa da Associação Americana de Psicologia, quando você compartilha seu objetivo com alguém que você percebe como tendo um status mais alto ou que você respeita, isso torna você responsável por de fato fazê-lo porque você se importa com a opinião da pessoa sobre você. Além disso, quando se trata de se permitir tirar um pouco o pé do acelerador, provavelmente uma das razões pelas quais é difícil é porque você quer que os “superiores” o vejam como um trabalhador dedicado e esforçado.

A pessoa com quem você compartilha o seu objetivo não precisa ser da sua empresa. Pode ser um mentor, um amigo ou um membro da família que você admira pela habilidade em fazer um ótimo trabalho ao mesmo tempo em que se dá permissão para viver sua vida ao máximo. Além de simplesmente torná-lo responsável pela mudança, eles também podem oferecer dicas úteis sobre como se permitir desacelerar, que você depois poderá seguir.

3. Vá com tudo no que importa

Tendemos a ser muito 1 e 10 em nosso pensamento, contando a nós mesmos a história errada de que fazer menos em uma área significa fazer menos (ou nada) em todas as outras. É assim que nos convencemos de que não está tudo bem. Essa matemática simplesmente não bate.

Em vez disso, faça uma análise 80/20 e determine quais 20% das tarefas das tarefas ou projetos fornece 80% dos resultados no trabalho. Liste suas maiores vitórias no trabalho em um lado de um pedaço de papel (os resultados que você busca, suas maiores prioridades ou seus principais objetivos) e como tarefas que você realiza diariamente no outro pedaço. Trace uma linha de cada uma das grandes vitórias até as tarefas que foram mais diretamente responsáveis ​​por esse resultado. Circule as tarefas que possuem linhas traçadas a partir delas. Esses são os seus 20%.

Depois de saber disso, você pode dedicar o máximo de tempo e energia às coisas que importam, e ver como outras áreas em que pode desacelerar, delegar ou eliminar coisas completamente. Além disso, se você sabe que está dedicando o melhor de você às coisas que importam no trabalho, também será mais fácil finalizá-lo quando for a hora.

4. Avance rápido

O belo livro de Bronnie Ware, “Os cinco principais arrependimentos de quem está morrendo” (em tradução livre), nos lembra de que é incrivelmente comum as pessoas desejarem que não tivessem trabalhado tanto quando estão em seu leito de morte. Quando estamos presos na rotina diária, é fácil ficar emperrado pensando que retrabalhar aquele relatório pela centésima vez ou trabalhar duas horas extras por dia em nosso computador é crucial para nossas vidas.

Em vez disso, considere esse exercício. Quando me sinto preso a um antigo padrão e tenho dificuldade em mudar meu comportamento, gosto de avançar rapidamente e investigar ao meu eu de 85 anos o que ela gostaria que eu tivesse feito em meu momento atual de vida. Fazer isso me permite ver o quadro geral, em vez dos prazos ou fatores estressantes que são meu foco imediato momento. Você pode fazer o mesmo. Quando você estiver olhando o zoom e dedo que está no futuro olhando para sua vida do passado, é mais fácil ver o que é essencial e o que não é.

Sua capacidade de se permitir desacelerar (mesmo que seja só um pouco) tem o potencial de melhorar drasticamente seus resultados e proteger sua saúde. Você trabalha duro e faz um trabalho que importa. Você merece atingir seus objetivos enquanto dá ao seu corpo e à sua mente o espaço de que precisam para que também tenham um desempenho ideal.

Compartilhe este post nas suas redes sociais

Compartilhe este post nas suas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Não curti.

Meh…

Curti!

Não curti.

Meh…

Curti!

Você também pode gostar de:

Você também
pode gostar de:

Enterprise agility: o que era uma opção, agora é essencial

Empresas ágeis são aquelas que estão conseguindo…

Como melhorar a experiência do cliente?

Quando você encanta seus clientes e agrega mais valor…

Enterprise agility

Empresas ágeis são aquelas que estão conseguindo…

Experiência do cliente

Quando você encanta seus clientes e agrega mais…