Que conteúdo deseja pesquisar?

Exemplo: startups, shark tank brasil, modelo de pitch

Blog da Camila Farani

Notícias e Conteúdos Exclusivos

O que nós, empreendedores, precisamos saber sobre blockchain?

As criptomoedas, blockchain e a indústria fintech têm atingido as manchetes de todo o mundo nos últimos dias. Tudo começou a ficar mais intenso depois que o Facebook anunciou para o mundo o lançamento de sua própria bitcoin, a Libra, após uma onda de escândalos de vazamentos de dados de usuários que assombraram a reputação da gigante da tecnologia. Com União Europeia e os Estados Unidos ameaçando retaliações ao projeto, o mercado de moedas digitais vem sofrendo quedas na sua cotação e o tema está no centro das atenções. A maior preocupação está diretamente ligada à privacidade, proteção ao consumidor e estabilidade financeira. Mas que impacto isso poderá causar no mundo dos negócios? O que nós, empreendedores, precisamos entender sobre a importância desse tema?

A tecnologia blockchain surgiu em 2008 para apoiar a comercialização do bitcoin, primeira moeda digital (ou criptomoeda). Nos últimos anos, o uso da ferramenta mostrou ser útil a muitos outros setores, cresceu e, hoje, ela é empregada por fintechs no registro de operações bancárias, na gestão de documentos e na logística, por exemplo. Ela funciona como um grande livro de registros digitais, no qual dados são armazenados de forma descentralizada e protegidos por mecanismos de criptografia, o que, teoricamente, os torna invioláveis e à prova de hackers. Isso explica, em tese, o porquê de o Facebook enveredar por essa área. O fato é que essa tecnologia é o futuro das transações.

Pesquisa da KPMG realizada neste ano revelou que 41% dos líderes tecnológicos são favoráveis à adoção de blockchain nos negócios durante os próximos três anos. A instituição entrevistou mais de 740 líderes globais, de mais de 12 países. A pesquisa também mediu o impacto da tecnologia e 48% dos participantes declararam que o blockchain pode mudar a forma como os negócios serão conduzidos nos próximos anos.

Como exemplo real de utilização dessa tecnologia, podemos citar o Walmart, gigante americana que utiliza o sistema Food Trust para gerir sua cadeia de suprimentos. Quando é detectada contaminação em alimentos, por exemplo, ela permite saber exatamente em qual região o fato ocorreu. O resultado disso: o Walmart reduziu de sete dias para cerca de dois segundos o tempo de rastreamento dos produtos. Portanto, o blockchain significa um novo veículo de infraestrutura fundamentado na confiança.

Mais isso é apenas o início. As empresas estão começando a explorar o impacto potencial do blockchain e de outras tecnologias de contabilidade distribuída, o que para nós, empreendedores, é sinal de oportunidade.

Essa mudança drástica nas transações financeiras automaticamente subsidiam a criação de novos modelos de negócios. Surgirão novas formas de investimento, armazenamento de dados e meios de comunicação. Isso é um movimento natural em uma sociedade que está entrando na era da inteligência artificial e dos dados. Nos próximos cinco anos, aplicativos e máquinas se tornarão menos artificiais e mais inteligentes. E as empresas que não acompanharem esse movimento estarão deslocadas no mercado.

Esta realidade ainda está um pouco longe do nosso cotidiano, pois precisamos construir a infraestrutura necessária para que algumas dessas mudanças aconteçam. Menor ainda é o número de empresas que têm uma estratégia firme e que sabem para onde o blockchain pode levá-las. Mas, da forma como o mundo se movimenta cada vez mais rápido, torna-se importante que nós, empreendedores, estejamos preparados para essa nova era das transações e para tirar o melhor proveito dela para os nossos negócios.

Camila Farani

Entre em contato ou siga-me nas redes sociais