Que conteúdo deseja pesquisar?

Exemplo: startups, shark tank brasil, modelo de pitch

Blog da Camila Farani

Notícias e Conteúdos Exclusivos

Cerque-se de pessoas que te complementam

A palavra “empreendedor” tem origem francesa e foi usada há 3 séculos por Richard Cantillon para caracterizar as pessoas que assumem riscos.

E como nós sabemos que a estabilidade não combina com o empreendedorismo, é preciso aprender a gerir os riscos, planejar-se para as reações futuras e, mais do que tudo, preparar-se para rasgar os planos e se adaptar diante de quaisquer condições.

A melhor saída para tornar essas tomadas de decisões mais assertivas é o encontro com um mentor investidor, um mentor executivo ou um advisory board.

Só que na maioria das vezes, pensamos qual é o problema, porque devemos resolvê-lo, o que devemos fazer para alcançar essa solução e como vamos agir.

Porém, nos esquecemos de quem pode nos ajudar. É comum que um mentor, além dos conselhos, traga todas as peças que precisávamos.

Afinal, são empresários com uma imensa bagagem de conhecimento, experiência de mercado e que abre possíveis conexões para a sua valiosa rede de contato.

E o empreendedor que não tem um mentor acaba passando a maior parte do tempo pensando em estratégia, análise de mercado e formas de conseguir investimento.

É claro que isso é muito bom para gerar ideias, já que nada é criado do zero, mas principalmente combinado com conhecimentos passados.

A vantagem da troca de experiências com executivos mais experientes é o surgimento de mais ideias e novas soluções graças à combinação entre duas bagagens distintas.

Além disso, esse contato provoca reflexões que evitam que esses empreendedores cometam os mesmos erros que prejudicaram seus mentores no passado.

Uma pesquisa da Endeavor, de 2015, com mais de 700 empreendedores do setor de tecnologia mostrou as principais características de uma empresa bem-sucedida.

E o padrão que mais chamou a atenção dos pesquisadores foi que muitos dos líderes de startups tinham fortes vínculos com empresários de outras empresas de sucesso.

Ou seja, ficou constatado que empreendedores de alto impacto, orientados por grandes executivos, alcançam melhores resultados ao longo do tempo.

Entre os respondentes, 33% dos mentorados apresentaram alto desempenho.

Além disso, outro dado importante da própria Endeavor é que as empresas participantes de seu programa Scale Up no Brasil alcançaram médias de crescimento de mais de 60% ao ano, e algumas abriram capital ou foram vendidas por valores acima de 100 milhões de dólares.

O melhor conselheiro é aquele que deixa de ser apenas uma ferramenta estratégica do negócio e se torna mentor pessoal do próprio empresário.

A inteligência emocional é o que faz as empresas aumentarem sua performance e prosperarem, dessa maneira, aumenta-se a durabilidade da relação entre mentor e empreendedor e o business é capaz de impactar milhões de pessoas.

Contudo, encontrar a pessoa certa não é algo trivial.

Um estudo de 2019 da Olivet Nazarene University, em Illinois, com 3 mil CEO´s, descobriu que, enquanto 76% das pessoas acreditam que a orientação é importante, apenas 37% dizem que têm esse relacionamento na prática.

As qualidades encontradas nesse mentor emocionalmente inteligente são basicamente: autoconsciência, auto regulação, motivação, empatia e habilidades sociais.

Segundo o mesmo estudo da universidade americana, ficou constatado que, quanto maior o índice de inteligência emocional do mentor, maior a confiança do empreendedor nele.

Entretanto, é importante ressaltar que mentores são apenas facilitadores do processo.

Na hora de escolher mentores, estude a fundo a história do executivo, seu background profissional e entenda como ele superou os obstáculos.

Os melhores mentores têm a capacidade de olhar além das próprias necessidades e sentir um senso de responsabilidade em retribuir à sociedade, o que chamamos de “give back”.

Mentores que sabem controlar suas emoções e se relacionar com pessoas gostam de compartilhar experiências e entendem a importância desse ato.

Mas cabe aos donos de seus negócios tomarem as melhores decisões, pois, ninguém melhor do que o próprio fundador para saber qual caminho seguir.

Imagens: FreePik

Camila Farani

Entre em contato ou siga-me nas redes sociais