3 aspectos que ajudam a definir o preço de um produto

A investidora Camila Farani responde dúvidas de leitores no site EXAME.

3 aspectos que ajudam a definir o preço de um produto

A investidora Camila Farani responde dúvidas de leitores no site EXAME.
verificado-p9b5wei8xhwe6tpnd9l0yfyhsau4bv7zr389bvjd9k

Camila Farani

30 de julho • 10 min

verificado-p9b5wei8xhwe6tpnd9l0yfyhsau4bv7zr389bvjd9k

Camila Farani

30 de julho • 10 min

Formar o preço é, de certa forma, uma tarefa desafiadora em um mercado como o de hoje. Há um farto material por aí mostrando diferentes formas de como chegar a um valor ideal, justo e competitivo para o seu produto ou serviço. Como o tempo é um bem precioso, eu sempre prefiro o que for mais prático e que for funcionar para a ocasião. No caso, recomendo utilizar a metodologia dos 3 “C’s”.

O que significam essas letras? Custo, Consumidor e Concorrência.

Em custo sempre é bom focar em ter os melhores fornecedores pelo menor preço além de ficar muito atento ao sistema tributário no qual você se encaixa.

Já em consumidor o lance é ver qual valor o seu cliente está disposto a desembolsar. No quesito concorrência, é bom estar com antenas ligadas na sua concorrência para saber o que ela está fazendo, quanto está cobrando e considerar outras similaridades e diferenciações ao seu negócio.

Uma coisa que você precisa ter em mente é analisar os resultados dessa metodologia dos 3”C’s”, porque precificar não é uma ciência exata. Por exemplo: você faz um cálculo preciso de todos os custos que envolvem o que pretende ser vendido. Entretanto, adianta alguma coisa se o resultado final desse cálculo for um valor que o seu cliente não estará disposto a pagar?

Por outro lado, você faz uma pesquisa da concorrência e resolve se basear em preço ao consumidor para assegurar a aceitação dos clientes. Daí eu pergunto a você: valerá a pena se lançar em um mercado por preço sendo que esse valor mal cobre os custos? Se tiver a percepção de que está “pagando para trabalhar”, então é melhor parar antes do rombo financeiro aumentar.

Mas, se você tiver um espírito empreendedor mais cauteloso e o tempo estiver ao seu favor, sempre vale a pena dar uma conferida em outras metodologias de formação de preços de vendas. Se todas elas apontarem a viabilidade do negócio, mãos à obra! Você só saberá se o valor estipulado no planejamento está correto quando seu produto ou serviço estiver em operação.

Camila Farani é presidente da G2 Capital e jurada do Shark Tank Brasil

Compartilhe este post nas suas redes sociais

Compartilhe este post nas suas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Não curti.

Meh…

Curti!

Não curti.

Meh…

Curti!

Você também pode gostar de:

Você também
pode gostar de:

Enterprise agility: o que era uma opção, agora é essencial

Empresas ágeis são aquelas que estão conseguindo…

Como melhorar a experiência do cliente?

Quando você encanta seus clientes e agrega mais valor…

Enterprise agility

Empresas ágeis são aquelas que estão conseguindo…

Experiência do cliente

Quando você encanta seus clientes e agrega mais…