Que conteúdo deseja pesquisar?

Exemplo: startups, shark tank brasil, modelo de pitch

Blog da Camila Farani

Notícias e Conteúdos Exclusivos

O triunfo dos Millennials

Eles têm entre 18 e 38 anos de idade, são movidos por inovação e propósito, muitos já ocupam posições de liderança. Até 2030, terão 5 vezes mais renda do que hoje. Os millennials inegavelmente fazem parte da pauta de prioridades corporativas no mundo todo, e ao mesmo tempo em que representam uma grande oportunidade econômica, evidenciam que as empresas nunca estiveram tão pressionadas como agora a reinventar seus modelos de negócios para satisfazê-los.

Desejo por produtos e serviços inovadores, simples e completos, convenientes e capazes de combinar atributos dos meios online e offline são só algumas das características peculiares à essa parcela da população. Quando falamos sobre conquistá-los como clientes, falamos sobre *diálogo* com uma geração que cresceu conectada. Não basta oferecer seus produtos ou serviços em plataformas móveis, mas fazer parte das conversas de quem os influencia. Segundo o Gartner, 84% dos millennials baseiam suas decisões de compra em avaliações de terceiros. São necessárias formas de influência complementares à publicidade tradicional para que a mensagem circule de forma muito mais eficiente.

Ao mesmo tempo, reposicionar produtos e adaptar modelos de negócio é fundamental. Entender seus desejos e antecipar-se à sua demanda – em canais de vendas, mix de ofertas e sustentabilidade da cadeia de produtos – mostra-se essencial. Se pensarmos na loja sem caixas Amazon Go, considerada o nirvana dos millennials, vemos traços muito claros de como isso se materializa. A conveniência está em entrar na loja retirar seus produtos e sair sem fila, em centralizar seus gastos e pagar suas compras pelo app, e a adaptar suas ofertas ao que esse novo perfil de cliente quer encontrar.

Obviamente, esse modelo emblemático da Amazon não será replicável para empresas de todos os ramos, mas o que vale aqui é observar como a empresa estudou intensivamente os anseios do consumidor e os traduziu em produtos e serviços até inaugurar sua Amazon Go. É sobre sair da zona de conforto e estudar o que vai atender esse novo consumidor. Em uma outra esfera, é o que os fabricantes de automóveis estão fazendo ao oferecer compartilhamento de carros em vez de apenas as vendas tradicionais – Renault e Porsche só para citar alguns. Ou as construtoras, que precisaram inovar no perfil de seus apartamentos – que estão menores nas áreas individuais e mais equipados nas áreas coletivas (o chamado co-living) – para satisfazer essas novas demandas.

Por último, mas não menos importante, está a necessidade de evidenciar o propósito da marca. Estudo da Forbes mostra que 75% dos millennials preferem comprar de empresas que tenham impacto real na sociedade, ante às que miram só o lucro. De forma geral, entendo que as marcas chegaram num ponto em que precisam rever seus valores, repensar seus modelos de negócio, e a alma de seus produtos ou serviços, não apenas para conviver melhor com essa geração que atinge sua maturidade econômica, mas para se preparar para as novas demandas comportamentais de seus consumidores. Não é uma jornada fácil, mas é necessário começá-la já.

Camila Farani

Entre em contato ou siga-me nas redes sociais